sábado, 7 de abril de 2018

Artigo Oficial - Rivalidade

Um tremendo tremor sacudiu o calabouço, quebrando as estalactites penduradas no teto, fazendo com que esbarrassem no chão como projéteis mortíferos. Muitos Yielothax foram enterrados sob as pedras que caíram. Sulcos profundos apareceram no chão, uma aura ameaçadora encheu a sala. A partir das fendas, um gás azulado e gelado escapou, que começou a se solidificar na frente de Tibicus. O gás formado em ossos cinzentos escuros e um rosto esquelético surgiram na caverna. Skullfrost,, apareceu para auxiliar seu mestre em sua hora de necessidade. Encoberto em gelo e morte, colocou-se entre Tibicus e Fridolin com Emberwing.

“Tibicus, eu …” Fridolin ficou claramente intimidado. “Olha, desculpe, exagerei!”

Suas palavras soavam honestas e estavam cheias de arrependimento. Tibicus, no entanto, estava furioso! Esse traiçoeiro ataque o atingiu completamente despreparado. Mas não foi só isso, não, o pior foi o fato de seu melhor amigo realizar tal coisa.

A adrenalina que atravessou seu corpo o ensurdeceu às palavras de seu amigo. Ele não estava mais pensando claramente, sua raiva e desapontamento tinham superado sua sanidade. Ele estava furioso e nada poderia acalmá-lo. Aqui estavam eles, agora, de frente, um para o outro. Dois amigos de longa data, irmãos de espírito e de batalhas, e agora oponentes ferozes. Fridolin viu a morte dentro dos profundos olhos de SkullFrost.

Tibicus tirou a espada e a aura fria cobriu imediatamente a lâmina afiada com um filme gelado. Fridolin sabia que não havia como voltar agora. Uma vez que ele entrou na fúria do sangue, Tibicus não pôde ser parado. Ele retirou o arco de suas costas e se certificou de que havia flechas suficientes em bolsa. Nesses corredores estreitos, ele estava em uma clara desvantagem. Eles não ofereciam nenhuma cobertura e com o Yielothax respirando muito próximos ele teria que lutar em duas frentes ao mesmo tempo.

Os primeiros projéteis de gelo já estavam sendo atirados em sua direção mesmo anes de pensar em como proceder. Tibicus estava pronto para atacar e seu Skullfrost já havia dado a Fridolin um antecipado do que estava prestes a acontecer. A Emberwing lançou uma torrencial chuva de bolas de fogo através de seu bico. A caverna encheu-se de um vapor, enquanto o gelo e fogo se encontravam com uma tempestade de inverno. A colisão dos elementos restringiu a visão e a audição. Tibicus, no entanto, antecipou isso. Sob a cobertura do nevoeiro, ele se aproximou de seu oponente.

O paladino, desorientado, não se moveu e continuo de pé. Tibicus andou através do vapor denso apontando sua espada no esboço sombrio de Fridolin. Ele se aproximou durante a erupção da névoa, próximo a Fridolin, levantando a espada para dar o golpe fatal. Seu plano havia funcionado.

Fridolin não percebeu o que aconteceu. Ele olhou para os olhos de Tibicus e viu a loucura. Ele saltou para trás deixando um espaço entre ele e a lâmina mortal. Na hora certa. Tibicus balançou com a espada novamente e Fridolin lutou para evitar os golpes de seu oponente. Ele sabia que não tinha chance contra o cavaleiro em combate corpo a corpo.

Ágil como era, ele conseguiu esquivar a maioria dos golpes, mas ele foi inevitavelmente acabou sendo empurrado para mais fundo da masmorra. Se ele chegasse a um beco sem saída, poderia dizer suas últimas palavras e se preparar para conhecer seu criador.

Felizmente, no entanto, ele sempre pode confiar em sua convocação fiel. Emberwing foi capaz de cuspir um mar de chamas entre Tibicus e Fridolin. O calor ardente fez com que o cavaleiro recuasse, dando ao paladino um pouco de distância e tempo para lançar “utamo tempo san” que o ajudou a se afundar mais profundamente no calabouço.



No entanto, sua convocação pagou caro por salvar seu mestre. Skullfrost viu uma oportunidade e lançou um violento ataque de morte. Antes que Emberwing pudesse reagir, o ataque atingiu a asa esquerda e inexoravelmente engoliu seu vestido de fogo. Um grito torturado ecoou pelas cavernas, mas era muito tarde. Privada de sua asa, o pássaro de fogo caiu no chão, contorcendo-se de agonia de um lado para o outro.

O grito deu a Fridolin e a sua perseguição uma pausa. Fridolin pode sentir o sofrimento de Emberwing e sabia que não poderia fugir para sempre. Ele teve que arriscar isso. Ele teve que trazer Tibicus de volta aos seus sentidos e libertá-lo da raiva do sangue. Porém ele sabia que se falha-se, isso seria seu fim.

Ele tomou coragem em ambas as mãos, parou, virou-se e gritou: “Tibicus, eu estou aqui!”



Não demorou muito e Tibicus, acompanhado de SkullFrost, correu pela caverna. Respirando pesadamente, ele tinha espuma na boca e grunhiu inarticuladamente como um animal raivoso. Fridolin involuntariamente deu um passo para trás. Ele estava assustado.

“Tibicus, ouça-me! Não é você. Eu sei que foi o grande engano do momento, e você tem todas as razões para me odiar por isso. Mas, por favor, volte ao normal!”

Não impressionado com essas palavras, Tibicus continuou a se aproximar do paladino.

“Eu imploro a você, Tibicus, pense nos velhos tempos. De nossa amizade. De tudo o que passamos juntos!”

Mas mesmo essas palavras não o alcançaram.

“Pense em todo o tempo que passamos em equipe, juntamente com Tabea e Emilio”.

Não ha chance. Fridolin percebeu que suas palavras não eram suficientes para cortar a raiva sangrenta e que ele acabara de se colocar em uma situação extremamente perigosa.

O paladino já havia se retido. O ataque de Emberwing contra Tibicus foi uma retaliação. Fridolin nunca quis deixar isso chegar tão longe e ele não tinha intenção de prejudicar seu velho amigo.

Mas agora ele não tinha outra escolha. Se ele não queria morrer ali, ele teria que recorrer a meios mais drásticos. Pouco antes que o Tibicus estava para lhe dar mais um forte golpe, Fridolin gritou: “utori san”.

Uma luz reluzente, mais forte e brilhante do que os dois Sóis tibianos combinados, iluminou o calabouço e atingiu Tibicus completamente despreparado. O cavaleiro e seu Skullfrost foram cegados pela luz e não puderam ver como Fridolin se evadiu com a ajuda de “utamo tempo san” , correndo para a saída.

Ele ouviu Tibicus o amaldiçoando. Ele sabia que ele tinha pouco tempo antes que seu perseguidor mais uma vez estivesse fervendo em seus calcanhares. Ele passou por numerosos Yielothax, que se retiraram com medo aos seus buracos e, finalmente, viram uma luz fraca no final do calabouço.

Era o Emberwing que estava tentando desesperadamente voltar a andar. Mesmo que o pássaro tivesse poderes surpreendentes de auto-cura e já começasse a se recuperar, o ataque de morte de Skullfrost tinha comido profundamente em sua carne e deixaria uma cicatriz visível.

Fridolin deixou sua convocação tão confortável quanto pudera. Era quase a hora de Emberwing retornar ao seu reino de chamas onde poderia se recuperar completamente da batalha.

Enquanto isso, Tibicus recuperou sua capacidade de ver. O nocaute temporário o acalmou um pouco.

Ainda estupefato, ele começou a ordenar seus pensamentos. Isso o irritava e seu sangue fervia. Embora este estado o tenha feito incrivelmente forte, o tornou incontrolável. A última coisa que ele conseguiu lembrar foi que ele pegou Fridolin pegando itens valiosos.

Com uma dor de cabeça e muitas dores, Tibicus caminhou para a saída. Em sua condição atual, ele teria sido uma presa fácil para os Yielothax. Felizmente, Skullfrost manteve as criaturas à distância.

Quando ele se aproximou da saída, ele ouviu um gemido que cresceu cada vez mais alto a cada passo. Ao virar a esquina, ele podia ver Fridolin ajoelhado em frente de Emberwing.

“Fridolin!” – gritou Tibicus. O que aconteceu? Que espírito maligno golpeou Emberwing e o deixou assim no chão? Ele continuou arrastando-se para os dois.

O paladino ficou aterrorizado quando ouviu seu nome. Com os olhos arregalados, viu Tibicus se aproximando.

Ao mesmo tempo, o ave de fogo lentamente começou a se dissolver. O reino das chamas exigiu de volta seu governante. Fridolin ficou aliviado de que nada mais poderia acontecer com sua convocação, e retirou-se.

Tibicus estava fraco demais para alcançar o paladino. Ele se perguntou por que Fridolin tinha subido as escadas de repente, deixando todas as malas do saque. Ele não conseguiu realmente pensar nisso, no entanto. A dor de cabeça piorou e seu campo de visão tornou-se cada vez mais nublado. Ao lado da silhueta cada vez menor do Emberwing, seu poder restante o deixou. Seus joelhos cederam e ele caiu inconsciente no chão de pedra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário